Tacca negra




Da distante Malasia a Tacca negra, é uma flor de visual extremamente exótico, quase totalmente negra, possuindo "filetes" que podem atingir 20 cm, também pretos que emprestam uma composição diferente de outras espécies ornamentais, que conquistou espaço na vida de muitos brasileiros apaixonados por plantas.
Também é conhecida como "flor-morcêgo" devido a semelhança de suas pétalas com a asa do morcego em vôo.
Aceita ser cultivada em vasos, floreiras ou diretamente no solo, sempre a meia sombra, muito bem suprido de água, mas sem encharcamentos. Prefere solo rico em matéria orgânica. Apresenta melhor floração a partir do final de outubro em regiões mais quentes.
Multiplica-se por extração de brotações laterais da planta mãe ou ainda por sementes que tem bom poder germinativo. Não aceita sol direto.




Nome Científico: Tacca chantrieri
Sinonímia: Clerodendrum esquirolii, Schizocapsa breviscapa, Schizocapsa itagakii, Tacca esquirolii, Tacca garrettii, Tacca macrantha, Tacca paxiana, Tacca roxburghii, Tacca vespertilio, Tacca minor, Tacca wilsonii
Nomes Populares: Flor-morcego, Planta-morcego, Orquídea-morcego, Flor-negra, Bigodes-de-gato
Família: Dioscoreaceae
Categoria: Flores, Flores Perenes
Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical
Origem: Ásia, China, Malásia, Oceania, Tailândia
Altura: 0.6 a 0.9 metros
Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra, Sombra
Ciclo de Vida: Perene




Conhecida popularmente no Brasil como flor-morcego, a Tacca chantrieri é uma planta tropical, muito conhecida por suas flores exóticas e ornamentais.
Florescendo na Primavera e no Verão a Tacca possui inflorescências que se assemelham com pequenos morcegos, com duas brácteas de um tom marrom escuro, quase negras e longos “bigodes”. As flores verdadeiras são pequenas, pentâmeras e globulares. Os frutos que se seguem são cápsulas papiráceas que levam cerca de um ano para amadurecer.
Suas raízes são longas e tuberosas, suas folhas são elípticas, de cor verde-oliva, brilhantes, glabras, com nervuras bem marcadas e sustentadas por longos pecíolos.
Apesar de ser chamada também de “orquídea-morcego”, esta espécie exótica não tem parentesco com as orquídeas, na verdade ela pertence a família Dioscoreaceae, a mesma do inhame (Dioscorea sp).
O cultivo da Tacca é considerado difícil e deve ser cultivada sob luz difusa, sendo ideal para áreas sombreadas, sua preferência é o clima quente e úmido. Embora seja bem valorizada ornamentalmente a Tacca não gosta de ar seco, então evite ambientes com ar condicionado, prefira cultivá-la em vasos ou floreiras em ambientes arejados. Quando a planta se adapta ao local de cultivo ela cresce produzindo novas mudas e tende a definhar se o local não lhe for agradável.
A Tacca se multiplica por sementes ou pela separação de mudas da planta-mãe, sendo que as mudas formadas por sementes tendem em florescer só depois de 2 anos. A Tacca não tolera o frio intenso ou longos períodos de estiagem, necessita de fertilizante a cada 15 dias durante a Primavera e o Verão, os melhores são os orgânicos como, esterco curtido, bokashi, farinha de osso, torta de algodão ou mamona ou húmus de minhoca e para revigorar a planta é aconselhável replantá-la a cada 2 ou 3 anos.
O melhor substrato para o cultivo é o humoso, leve, bem drenável mas que deve ser irrigado com frequência.







Tecnologia do Blogger.